Latest Publications

Metrô – um estudo sobre o sistema metroviário

A superlotação dos carros (vagões) no metrô do Rio de Janeiro e São Paulo prejudicam a adesão da população a utilizar o transporte público em detrimento do carro. O que seria ambientalmente correto passa a ser um transtorno estressante. O pior é que, devido a superlotação, em caso de uma emergência torna-se muito mais difícil ter uma resposta adequada. O último exercício (treinamento) de emergência, simulando situações de risco ocorreu em 9 de junho de 2013 (domingo) reunindo 240 pessoas e contou com a participação da Polícia Militar, do Comando Militar do Leste, do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil, da Polícia Civil e do Centro de Operações Rio.  Parafraseando o craque Didi: “Treino é treino, jogo é jogo”, num dia comum, no horário de pico temos mais de 300 pessoas por vagão, muito mais que 1.800 num trem, logo um treino com 240 pessoas é bastante diferente do jogo real.

A nossa proporção de pessoas transportadas por dia por carro (vagão) consegue ser pior que em países pobres como Bangkok. Em horários de pico transportamos de 7 à 12 pessoas por m² ! O dobro da média mundial.  O fato é que não há uma norma técnica que limite o número de pessoas por vagão. A única norma ABNT que existe próxima da capacidade do vagão metroviário, trata do dimensionamento de assentos conforme a quantidade de pessoas transportadas. Um trem, conforme dados do fabricante, e dependendo do tipo de vagão, carrega em sua lotação máxima, nos seis carros (composição) um total de 1.800 passageiros ou 300 passageiros por vagão.

A realidade do transporte em horários de pico se depreende do programa “Profissão Repórter” da TV Globo, de 07 de maio de 2013. No link: http://www.youtube.com/watch?v=jSkat5yX3Zg

Como uma sugestão de medidas de segurança, para evitarmos pessoas jogadas, ou caindo nos trilhos do metrô, em Bangkok, há uma “parede” de vidros deparando a estação dos trilhos, onde portas automáticas se abrem quando o trem estiver parado e com suas portas abertas na estação. Portanto, as pessoas não têm acesso aos trilhos evitando-se suicídios e acidentes. Além disso, é fundamental reduzir a superlotação, e para tanto precisamos da aquisição e colocação em uso de mais trens no horário de pico. Para isso, a exemplo de países europeus, é necessário o apoio e pesado financiamento governamental. O apoio governamental é importante devido ao montante a ser investido: a construção de uma estação de metrô custa em média R$ 150 milhões, o sistema de informação automática sobre a demora e distância das composições nas estações custa em torno de US$ 160 milhões, 19 trens custaram ao Metrô-Rio R$ 320 milhões (R$ 16,8 milhões por trem ou R$ 2,8 milhões por carro).

Proporção vagões - passageiros

Proporção vagões - passageiros

O ranking mundial de sistemas metroviários é o seguinte:

Ranking Mundial de Sistemas de Metrô

Ranking Mundial de Sistemas de Metrô

O Rio de Janeiro tem (até março de 2013) 51 composições com 306 carros (51 trens com 6 carros cada), serão 66 até 2015.  Cada carro tem aproximadamente (peguei a metragem aproximada de outros metrôs, não o do Rio) 20m de comprimento x 3m de largura = 60 m².  Carregam 1.800 passageiros por trem, ou seja, 300 pessoas por carro (vagão) ou 1m² para 5 pessoas. Mas na prática, em horários de pico,  observamos muito mais do que isso (8 pessoas em média no Rio e 12 pessoas em média em São Paulo)! Transportar 5 pessoas é o limite do razoável para 1 m² (não há conforto),porém  além desse número as pessoas praticamente se abraçam. O MetrôRio agora opera com horário de pico estendido que, dependendo da linha e do sentido, se dá entre as 5h30 e 10h30 na parte da manhã e 15h e 20h na parte da tarde. Com a extensão do horário de pico, o sistema está operando por mais tempo com capacidade máxima de trens, mesmo assim isso não parece ser suficiente diante da enorme demanda.

Uma breve história da concessão pública do Metrô-Rio:

No dia 19 de dezembro de 1997, na Bolsa de Valores do Rio, o Consórcio Opportrans adquiriu o direito de explorar o serviço metroviário durante 20 anos, assumindo, em abril de 1998, o controle do serviço de transporte público metroviário.  A empresa MetrôRio assumiu a concessão do metrô carioca e está sob seu controle a administração e a operação das Linhas 1 e 2, ficando as expansões da rede metroviária e aquisição de novos trens a cargo da Rio Trilhos (Governo do Estado). Portanto, 1998 + 20 anos = 2018.

Em dezembro de 2007, com o aditamento por mais 20 anos do contrato assinado com o governador Sérgio Cabral, o MetrôRio pôde investir em melhorias e expandir sua atuação, que antes se restringia à operação e manutenção das Linhas 1 e 2. Desde então, a empresa comprometeu-se a fazer investimentos para melhor atender a população carioca.  No pacote de R$ 1,15 bilhão, destacaram-se a construção da Linha 1A (trecho entre as Estações São Cristóvão e Central, ligando a Linha 2 a Zona Sul, sem transferência nos dias úteis), a reforma gradual das estações, a construção da Estação Cidade Nova e sua passarela, a compra de 114 novos carros, a melhoria do sistema de ar condicionado, além da modernização do Centro de Controle de Tráfego.  Portanto, em 2007 o Estado assinou 2018 + 20 anos = 2038

O GPS e o ACARS

GPS:

GPS significa Global Positioning System, que é um Sistema de navegação via satélite. O GPS é o sistema americano, o GLONASS seu equivalente russo, existindo ainda dois outros sistemas em implementação: o Galileo da União Européia e o Compass chinês.

O sistema americano GPS foi criado em 1974 através de um contrato militar junto a empresa Rockwell International, onde naquele período lançaram 8 satélites Block 1. Em 1978 o contrato foi extendido e outros 3 satélites Block 1 foram lançados.  Um deles, o “Navstar 7”, se perdeu no lançamento, restando então 10 satélites Block 1 em operação. Com o aprendizado da primeira geração de satélites, em 1983, a Rockwell International conseguiu um novo contrato para a construção e lançamento de 28 satélites Block 2. Os primeiros 9 satélites de segunda geração, Block 2, foram lançados entre 1989 e 1990. Empresas como Boeing e  Lockheed Martin também colaboraram com o aperfeiçoamento do sistema e da tecnologia de novos satélites Block 2. Em maio de 2008 a  Lockheed Martin conquistou outro contrato para produzir a 3ª geração de satélites, Block 3. Conforme a geração do satélite ele possui uma determinada vida útil de respectivamente 5 anos, 7,5 anos e 15 anos.

O sistema de GPS é formado por uma “constelação” de 24 satélites, cada um dá duas voltas na terra por dia, de forma que em qualquer posição tenhamos ao menos 4 satélites disponíveis para mensurar a posição geográfica do sinal captado. O sistema foi declarado totalmente operacional apenas em 1995 (após 21 anos do início em 1974) e seu desenvolvimento custou 10 bilhões de dólares. No entanto, até meados de 2000, o departamento de defesa dos EUA impunha a chamada “disponibilidade seletiva”, que consistia em um erro induzido ao sinal impossibilitando que aparelhos operassem com precisão inferior a 90 metros. Hoje usado em automóveis, cargas, navios, locomotivas ou aeronaves. Até a bolsa de valores de Nova Iorque sincroniza seu relógio de operação com o relógio atômico dos satélites de GPS.

Ao final de 2013, no Brasil, começamos a implantar o sistema GPS (radares, controles, aviões, treinamento de pilotos, etc.) para reduzir o tempo e a distância nas rotas aéreas. Com mais precisão eliminamos o ziguezague das aeronaves.

ACARS

Criado em 1978 o Aircraft Communications Addressing and Reporting System é um Sistema criado para trocar dados (parâmetros do Vôo) enviados automaticamente – a cada 6 segundos, podendo chegar a 15 segundos de delay – para a base da companhia aérea e ou do  fabricante da aeronave, dependendo da assinatura contratada do sistema, através de sistema de rádio ou satélite (VHF / HF / Iridium). Serve para as empresas aéreas monitorarem seus vôos, bem como reduzirem o trabalho dos pilotos reportando-se com sua base através do sistema de rádio.

Esse sistema serve para a companhia aérea monitorar o piloto e avaliar sua performance, se cometeu algum erro, uma manobra indevida, etc. Pois todos os sistemas e dados do avião são transmitidos.